domingo, 20 de setembro de 2009

Quero emudecer. Mantenho as luzes apagadas, inertes. Prefiro ficar no escuro, escondendo a lama, as lágrimas, a nudez real, as promessas não cumpridas, as frases nunca ditas e também aquelas que nunca deveriam ter sido ouvidas. Mantenho obscuros os vãos, a culpa, o fim da festa. Varro pra debaixo do tapete o amor que nunca chegou ao fim. Escureço lembranças. Deixo oculto tudo o que não entendi. Nunca entendi.
No escuro, arremesso dúvidas, e acendo uma vela que abre frestas, intervalos, respiros.
.
Amanheço com seu cheiro.

3 comentários:

Eloisa disse...

Eu li, não lembro onde, creio ser Carpinejar, que mais triste que o nosso fim. É o fim do nosso amor.

Meu beijo

Erica Vittorazzi disse...

Para não me machucar, às vezes finjo que não sei...coloco debaixo do tapete o amor que não se foi...

Claro que eu me lembro da testa. A minha tem um monte de band-aid, mas não desisto não. Um dia, a gente acha um lago profundo!
Beijos

Bruno Moreno disse...

se tirasse uma foto disso ficaria lindo.