quarta-feira, 18 de fevereiro de 2009

talento

E em meio a tudo isso, tenho ganhado presentes lindos. Novos encontros - mesmo que não presenciais, muitos carinhos, sms atenciosos. Músicas certeiras no shuffle, emails bonitos, agredecimentos, estrelinhas da minha chefe (!).
Hoje ganhei também uma resposta sensacional do meu corpo, que estava apático e sem vontade de reagir. Fiquei feliz ao ver meu rosto corado em frente ao espelho e me parabenizei por isso. No fundo, só depende de mim. E no fundo (nem lá tão no fundo assim...) eu sou primaveril. Eu gosto de carambolas, fruta solar e estrelar ao mesmo tempo. Agora estou passando por um outono frio, mas já minha primavera estará de volta, transbordando de cores e flores, cheiros e sabores. E novos amores.

Panamerican, 2004 - Milhazes

Mas o que originou este post foi outro presente que ganhei: a canção abaixo, que eu não conhecia e achei linda. É preciso talento, galera, porque ninguém é de cimento...

Eu vou dar um talento
Nesse nosso sofrimento
Que eu não aguento
Não sou de cimento
Eu aí tão fora
Você aqui tão dentro

Eu vou dar um talento
Nesse confinamento
Que eu não aguento
Não sou de cimento
Eu aí tão fora
Você aqui tão dentro

Eu vou dar um talento
Nesse nosso acabamento
Vou dar um trato nessa nossa tristeza
Eu faço rango, você põe a mesa

Eu vou dar um talento
Nesse sem cabimento
Vou dar um grau
Nesse nosso astral
Você me vem água
Eu te volto sal

(Alzira E / ArrudA)

2 comentários:

OsmamelucO disse...

breve...
muito breve...
o tempo muda...

Rosangela Florêncio disse...

Adorei o blog, o almoço, a companhia, o bate-papo!!!
Ciclos. Sempre se encerrando e reiniciando e assim segue a vida...
Que a primavera chegue logo... e com ela flores, perfumes, festa de pássaros, orvalho...
Fique bem!!:)