terça-feira, 1 de fevereiro de 2011

morte súbita

Às vezes, pra se sentir vivo, é preciso morrer um pouco. Viver muito alimenta minha loucura necessária. Viver pouco, me deixa insossa e desinteressada. Assim, de quando em vez, preciso morrer. É uma precisão quase vital de parada cardíaca, pra sentir o sangue quente formigando pelo corpo, quando o coração volta a bater. Como em apneia, aquela breve sensação de desespero quando o ar escasseia: um prazer imensurável quando se atinge a superfície para respirar. Eu preciso encarar o precipício, sentar na beira e ficar balançando as perninhas, até um vento forte bater pra me fazer sair dali. A natureza é sábia demais. É nela que me miro: na sua força e imprevisibilidade de morrer sempre um pouco para viver muito (e mais).

4 comentários:

Anônimo disse...

Bateu ... mas me nego a confessar publicamente que divida tal sentimento ... que loucura!!! que loucos somos ... que loucos procuramos ... que loucos ...

beta disse...

pois é... confessar publicamente a própria loucura é arriscado, mas é uma forma de lidar com ela.
beijos

Anônimo disse...

Como voce bem disse "a natureza é sabia demais".
Porisso A sinta, A perceba, A veja, e aprenda com ela a cada dia renascer.
Seja cada vez mais feliz
Beijos

Anônimo disse...

Vi o seu blog.

www.cimonanilla.blogspot.com